Talentos Científicos Femininos

Como incentivar as adolescentes, jovens e mulheres para as carreiras com maior peso em ciências (biológicas, exatas e tecnológicas) e matemática? Ninguém sabe exatamente.

Um comentário recorrente nos meios acadêmicos e tecnológicos é a falta de mulheres em Física, Engenharias, Matemática e Ciências Biológicas. Essa é a ordem crescente do número relativo de mulheres. Eu já comentei sobre isto no dia da mulher. Neste contexto a Scientific American publicou um artigo muito bem escrito. Está claro que não há explicações simples para tamanha disparidades. Read Sex, Math and Scientific Achievement: Closing the gap.

nobel em informaticaPode parecer paradoxal que a grande maioria de professores de matemática e ciências do ensino básico (fundamental e médio) é feminina. No ensino público do estado de São Paulo é 78% (dados das turmas de capacitação para professores de quinta série do ensino fundamental à terceira série do ensino médio). Já no ensino superior a maioria é masculina. Por exemplo no IMECC (Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica) da UNICAMP há apenas 25% de mulheres docentes. A foto mostra Frances Allen, a primeira mulher a ganhar o Prêmio Turing de informática. Há muitos exemplos isolados, mas em geral os homens dominam estas áreas exatas.

O que fazer para diminuir estas diferenças?

Uma opinião sobre “Talentos Científicos Femininos”

  1. Olá, Samuel.

    Apenas um comentário. O número de mulheres no curso de Física da Unicamp aumentou consideravelmente após a inclusão das modalidades Física Médica e Física Biomédica. Ao contrário do que poderia pensar a maioria, elas têm desempenho tão bom quanto os homens.

    Fica uma dúvida: há algum estudo referente à idéia de que as mulheres teriam mais dificuldade no aprendizado de matemática e, em especial, no de áreas como geometria espacial?

Os comentários estão desativados.