Lua cheia, vermelha. A Eclipse de Março de 2007.

No sábado à tarde, na região de Campinas, havia muitas nuvens carregadas. No leste! Eu não iria ver a Eclipse da Lua. De novo! Lembrei-me das profecias bíblicas (e localizei as referências com o Google).

  • Apocalipse 6:12. “E a Lua tornou-se como sangue”.
  • Joel 2:31. “O Sol se converterá em trevas, e a Lua, em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor.”

Eventos tão marcantes como os Eclipses foram sempre impressionantes e não nos admira que faça parte do imaginário religioso de alguns. E é fácil profetizar que haverá um Eclipse Solar e um Ecliplse Lunar antes de um terrível dia.

Voltando à minha humilde observação, sentei-me na esperança que o vento tocasse algumas nuvens. Lua cheia. De nuvens.

“Já dá para ver?” Minha esposa curiosa perguntava a cada 5 minutos. Ainda não. Aproveitei o momento para filosofar. Mas neste momento é melhor ler uma poesia:

fases da eclipse lunar

Lua adversa

Cecília Meireles

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…

A melancolia passou com o vento. De vez em quando eu conseguia ver algumas fases do Eclipse. A imagem da fotógrafa Tracy, acima, é uma bela composição de fotos obtidas com tempo de exposição diferentes.

Veja também a cobertura feita pelo Prof. Dulcidio Braz Jr.

Uma opinião sobre “Lua cheia, vermelha. A Eclipse de Março de 2007.”

Os comentários estão desativados.