Levantou poeira … estelar.

Só assisti uma exibição da série do Marcelo Gleiser: Poeira das estrêeelas (ênfase do locutor). Mas o assunto é FantÁstico (cantado como na Globo).

O material recolhido pela sonda Stardust está sendo analisado. Alás, como sou teórico, fico fascinado e assustado com a parte experimental e observacional de um projeto como este. Foram vários anos para planejar, solicitar financiamento, construir, testar, enviar a sonda em 1998 que encontrou um cometa em 2001 e voltou à terra em 2004, pegar o material e, com muito cuidado, levar aos laboratórios etc etc. E às vezes eu reclamo que do computador lento e da Biblioteca fechada. Anyway
orion

Um dos resultados da análise parece confirmar que a formação do Sistema Solar foi mais dramática do que a teoria mais aceita atualmente. Já havia indí­cios para rever a teoria quando encontraram Fe-60 (um isótopo de Ferro) em meteoritos. Agora, alguns dos grãos coletados no pela Stardust (Scientific American: Cometary Conundrum
New evidence shows that comets were not alone, as previously believed, when they formed), mostram material formado em ultra altas temperaturas.

Em poucas palavras, podemos ser resultado do colapso e explosão de uma estrela supermassiva, ou de uma proto-estrela fritada pela explosão de uma super estrela por perto. Agora entram os teóricos para a parte matemática e computacional do modelo da formação do nosso Sistema Solar. Não é fantástico?

Veja a foto de Órion, uma nebulosa que tem estrelas em formação e muita poeira em seu entorno.