Um por todos e todos por um

Seguros são feitos para cobrir acidentes. E funciona bem enquanto há poucos acidentes com grandes prejuízos e muitos segurados que pagam pequenos valores continuamente. Os conceitos poucos, muitos, acidentes etc devem ser definidos para que o esquema funcione. A matemática por trás disto é interessante, mas vou apenas reforçar a idéia um por todos e todos por um. E quando o acidentado não tem seguro? Usualmente o causador do acidente deve ser responsabilizado. E se for uma cidade, estado ou país?
A notícia que motivou o parágrafo acima foi Município irá fornecer Viagra para vítima de acidente
Em última análise todos os contribuintes do município pagarão os custos do acidentado. Alguns acham isto ou aquilo, mas a juíza acatou o argumento da vítima.

A molécula do Viagra, representada na figura, foi patenteada há 10 anos. O laboratório Pfizer fatura 1 bilhão de dólares por ano. É uma droga com efeito colateral desejável por muitos. Deveria tratar de uma doença cardíaca, a angina, mas a molécula C22H30 N6O4S, funciona para a disfunção erétil masculina.
Para quem gosta de visulizaões de moléculas 3-dimensionais, veja (você deve ter o java habilitado no seu computador) o sítio Chemistry, Structures & 3D Molecules @ 3Dchem.com.